“Acho que temos todas as idades dentro de nós. Mas não temos acesso. Se as quisermos de volta, temos de escrever sobre elas. Escrever é lembrar”

 

(Karl Ove Knausgard, escritor)

 

 

OFICINA DE MEMÓRIAS E PUBLICAÇÃO DE LIVROS

BENEFÍCIOS

 

Estimula a memória,  desenvolve a linguagem, amplia autoestima, sociabilidade, comunicação e criatividade. 

 

Dentro de um residencial de idosos, incentiva a criação de vínculo com o espaço a partir da autovalorização e da percepção de novos potenciais.

 

Principalmente, proporciona maior "Qualidade de Vida" para o idoso:

 

 

“ O importante é trazer qualidade de vida para aquele idoso e a  estimulação cerebral por atividades como o relato de lembranças (...) leva a isso”

 

(Sérgio Leme da Silva, coordenador do Serviço de Neuropsicologia do Centro de Medicina do Idoso do Hospital Universitário de Brasília)

PÚBLICO-ALVO E DINÂMICA

 

Destina-se não só ao público com mais de 50 anos como aos seus familiares, com o objetivo de ajudar a resgatar e registrar memórias em livro ou outro tipo de publicação, inclusive eletrônica.

 

Entrevistas individuais ou dinâmicas de grupo, particulares ou em instituições de idosos.

 

Demonstração: Workshop para grupos de até seis pessoas, com duração de três horas, para apresentação do método, desenvolvido por Christiane Brito, jornalista e biógrafa, pós-graduanda em Gerontologia.

 

Fundamentos: antroposofia, storytelling, escuta terapêutica (CVV) e escrita criativa (Proustiniana)

AVALIAÇÃO E PUBLICAÇÃO

 

Os participantes das oficinas são avaliados comparativa ou regularmente, com aplicação de testes de prontidão mental e afetiva (Mini-exame do Estado Mental – MEEM, e Escala de Depressão Geriátrica de Yesavage, versão curta).

 

Ao final do módulo de criação (a duração varia conforme objetivos e planejamento previamente determinados), o material é editado e publicado em scrapbook ou livro.

 

Na opção "livro", a produção segue para selfpublishing, o que inclui formatação e-book e  disponibilização para venda eletrônica (Amazon).

 

O lançamento é feito em local público, em livraria ou no próprio residencial. Divulgação na mídia eletrônica.

 

 

 

 

“O passado é sempre uma morada. Não podemos evitar que uma parte de nossa vida permaneça ali, colecionando gozos ou rancores, transmutando os mumificados fatos em delírios, visões ou pesadelos”.

 

(Mario Benedetti)

Se o passado e a sua ressignificação são parte inevitável da vida, o longeviver depende do resgate da memória afetiva positiva. Ela permite que o idoso crie, dentro de uma instituição de longa permanência, um ambiente de inclusão e de autovalorização. 

 

A Oficina de Biografia do Idoso trabalha com essa perspectiva, estimulando o relato e propondo o registro biográfico em textos: livros ou cadernos de memória. Esse material é a parte tangível do processo, o legado histórico que o idoso e a instituição compartilham com familiares e comunidade.

 

Pode originar um acervo documental que recupera, muito além do tempo, o espaço de origem e destino do idoso.

 

 

“Graças à memória, o tempo não está perdido, e, se não está perdido, também o espaço não está. Ao lado do tempo reencontrado está o espaço encontrado, um espaço que é descoberto e acessado graças ao momento desencadeado pela lembrança”

 

George Poulet (O Espaço em Proust, 1992) 

Andre Kertesz